Nova campanha mundial das Testemunhas de Jeová — Um erro que se repete?



Recebemos informações de que as Testemunhas de Jeová farão uma nova campanha mundial com enfoque nas autoridades seculares. Por quê fazem isso? As Testemunhas de Jeová se acham cumpridoras de profecias e a única religião reconhecida e usada por Deus atualmente. Para elas, Jeová as está usando para alertar as autoridades mundiais do iminente Reino de Deus.


Esse posicionamento não é novo. Desde os tempos do arrogante “Juiz” Rutherford, declarações têm sido emitidas no sentido de que as pragas do Apocalipse são “resoluções” adotadas em congressos, ou cartas escritas a governantes, ou publicações “expondo” o sistema de Satanás.


Não muito tempo atrás, as Testemunhas de Jeová distribuíram o “Notícias do Reino N.° 37”, entitulado “O Fim da Religião Falsa Está Próximo” — uma mensagem mundial contra todas as outras religiões que, aos olhos das Testemunhas de Jeová, são falsas, sem exceções:




Com essa atitude um tanto arrogante, não é de admirar que as Testemunhas de Jeová têm sido consideradas extremistas pelas autoridades de muitos países.


CAMPANHA NA ALEMANHA NAZISTA


Na Alemanha nazista, por exemplo, Rutherford inicialmente teceu comentários ambíguos numa carta a Hitler, dando a entender que elas, as Testemunhas de Jeová, estavam de acordo com alguns dos ideais defendidos:


(Obs.: Ao aparecer o termo “Estudantes da Bíblia” leia-se “Testemunhas de Jeová”, isto é, o segmento dos Estudantes da Bíblia leais a Rutherford.)

————————


Carta enviada a Adolf Hitler pelos Estudantes da Bíblia (Testemunhas de Jeová) em 25 de junho de 1933 explicando suas posições religiosas e desmentindo as acusações de judaísmo e comunismo.



Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados,

Sede Alemã,Wachtturmstrasse 1-19,

Magdeburg/Alemanha: Postsch 4042

Telefone, Magdeburg 405 56, 405 57, 405 58



Caro Chanceler,


Em 25 de Junho de 1933, no Sporthalle Wilmersdorf, em Berlim, houve uma conferência de aproximadamente 5.000 Estudantes da Bíblia (Testemunhas de Jeová), representando diversos milhões de alemães que são amigos e seguidores deste movimento por muitos anos. O objetivo desta conferência, à qual compareceram representantes de todas as comunidades de estudantes da Bíblia da Alemanha, foi encontrar meios e formas de informar ao Chanceler, bem como a outras altas autoridades do Reich alemão e o governo de seus países individuais do que se segue:


Em diversas partes do país, ações estão sendo tomadas contra uma corporação de sérios cristãos, homens e mulheres, que tem no cristianismo positivo o seu fundamento. Tais ações só podem ser descritas como perseguição de cristãos contra outros cristãos, já que as acusações — as quais tem levado a tais ações contra nós — provêm primariamente de clérigos, especialmente católicos, e são inverídicas.


Estamos absolutamente convencidos da imparcialidade das autoridades do governo que lidam com esta situação. Ainda assim, concluímos que o conteúdo de nossa literatura e o propósito de nosso movimento são amplamente mal interpretados em razão das acusações dirigidas a nós por nossos opositores religiosos e que poderiam resultar em um ponto de vista deturpado. Isto também poderia se dever ao volume de nossa literatura e a alta sobrecarga de trabalho sobre os respectivos funcionários.


Por esta razão, os assuntos discutidos na conferência foram expostos na forma de uma declaração da Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, a fim de informá-lo, Sr. Chanceler, bem como as altas autoridades do Reich Alemão e seus países, com um documento, do fato de que os Estudantes da Bíblia da Alemanha têm apenas um objetivo em seu trabalho, a saber, conduzir as pessoas de volta a Deus e ser testemunhas do nome de Jeová, o altíssimo, o pai de Nosso Senhor e redentor aqui na terra, Jesus Cristo.


Estamos convencidos de que o Sr. Chanceler não permitirá que tais atividades sejam perturbadas. As congregações dos Estudantes da Bíblia da Alemanha e seus membros são, em geral, conhecidos como respeitáveis defensores do Altíssimo e zelosos estudantes da Bíblia. As autoridades policiais locais deverão atestar o fato de que os Estudantes da Bíblia têm de ser contados dentre os elementos do país e seu povo que são conhecidos pelo seu amor e apoio à ordem. Sua única missão é conduzir os corações humanos a Deus.


A Torre de Vigia de Bíblias e Tratados (situada em Magdeburg / Alemanha) é o centro organizador da missão dos Estudantes da Bíblia.


A sede de Brooklyn da Sociedade Torre de Vigia é — e sempre tem sido — extremamente amigável à Alemanha. Em 1918, o presidente da sociedade e sete membros da diretoria nos Estados Unidos, foram sentenciados a 80 anos de prisão, por motivo de que o presidente se recusou a permitir que duas revistas nos Estados Unidos, as quais ele editava, fossem usadas para fazer propaganda de guerra contra a Alemanha. Estas duas revistas, “A Sentinela” e “Estudante da Bíblia” (mensal), foram as únicas revistas nos Estados Unidos que se recusaram a publicar propaganda anti-germânica e, por esta razão, foram proibidas e suprimidas na América durante a guerra.


Da mesma maneira, no curso dos meses recentes, o conselho de diretores de nossa sociedade não apenas recusou engajar-se em propaganda contra a Alemanha, mas até tomou posição contra isto. A declaração anexa assinala este fato e enfatiza que as pessoas na liderança de tal propaganda de horror nos Estados Unidos (homens de negócios Judeus e católicos) são também os mais severos perseguidores do trabalho de nossa sociedade e seu conselho de diretores. Esta e outras declarações destinam-se a repudiar a injuriosa acusação de que os Estudantes da Bíblia são apoiados pelos judeus.


A conferência de 5.000 delegados recebeu a declaração do governador em Magdeburg com grande satisfação, o qual disse não se poder provar que haja qualquer relação entre os Estudantes da Bíblia e os Comunistas ou Marxistas, como foi declarado por nossos opositores religiosos (o que quer dizer que tais declarações não passam de injúria). Uma reportagem de imprensa no Magdeburg Daily News n.º 104, de 5 de Maio de 1933, diz:


“A declaração do governo referente à ocupação da sede dos Estudantes da Bíblia: O departamento de Imprensa emitiu a seguinte informação: ‘A Ocupação da propriedade da Sociedade dos Sérios Estudantes da Bíblia em Magdeburg foi suspensa em 29 de Abril, já que nenhum material que confirmasse as atividades comunistas foi encontrado’.


Outra reportagem no Magdeburg Daily News n.º 102, de 3 de Maio de 1933, diz:


“O escritório dos Estudantes da Bíblia informou-nos que as ações tomadas contra a Sociedade Torre de Vigia e a Sociedade dos Estudantes da Bíblia foram abolidas. Toda a propriedade foi devolvida já que uma ampla revista resultou em que nada pode ser afirmado contra esta sociedade, seja por atividades políticas ou criminosas. Também concluiu-se que ambas as sociedades são de natureza absolutamente apolítica e religiosa. A pedido, o governo confirmou a correção de tais declarações.”


A conferência de 5.000 delegados enfatizou que, em face destas circunstâncias, considerou aquém de sua dignidade até mesmo defender-se, no futuro, de quaisquer acusações desonrosas sobre atividades marxistas ou mesmo comunistas. Tal injúria refutada de nossos opositores religiosos indubitavelmente carrega o sinal da competição religiosa. O objetivo deles é sufocar um proclamador honesto por meios repulsivos ao invés de pelo uso da palavra de Deus.


A conferência de 5.000 delegados também afirmou — como expresso na declaração — que os Estudantes da Bíblia da Alemanha estão lutando pelos mesmos elevados objetivos éticos e ideais, os quais o governo nacional do Reich Alemão proclamou no que se refere à relação dos humanos com Deus, isto é: a honestidade do ser criado em relação ao seu criador.


A conferência chegou à conclusão de que não há quaisquer divergências entre os Estudantes da Bíblia da Alemanha e o governo nacional do Reich Alemão. Ao contrário, em relação aos objetivos puramente religiosos e apolíticos e o empenho dos Estudantes da Bíblia, pode-se dizer que estão em pleno acordo com os objetivos idênticos do governo nacional do Reich Alemão.


Em razão do suposto linguajar áspero de nossa literatura, alguns de nossos livros foram banidos. A convenção de 5.000 delegados salientou que o conteúdo de nossos livros que foram desaprovados referiam-se apenas a circunstâncias no Império Mundial Anglo-americano e que este —especialmente a Inglaterra — deve ser responsabilizado pela Liga das Nações, pelo tratamento injusto e pelos fardos impostos à Alemanha. As coisas ditas no espírito acima mencionado são, desta forma, dirigidas — quer em sentido financeiro, político ou Católico Romano — contra os opressores do país e do povo alemão, não contra a Alemanha combatendo estes fardos. De modo que esta proscrição (contra a literatura dos Estudantes da Bíblia) não faz sentido.


Em algumas partes do país os Estudantes da Bíblia são proibidos até mesmo de se reunirem para orações e serviços religiosos e, por muitas semanas, esperam por uma solução para esta situação, a qual é sufocante para suas vidas religiosas. Sobre esta situação, foi expresso o seguinte:


“Nós queremos viver de acordo com a proibição a nós imposta, pois estamos confiantes de que o Sr. Chanceler e o alto governo irão suspender tal proibição — a qual força dezenas de milhares de homens e mulheres cristãos ao martírio que só pode se comparar ao dos primitivos cristãos — após terem obtido entendimento da real situação.”


Finalmente, a conferência de 5.000 delegados expressou que tanto os Estudantes da Bíblia quanto Organização Torre de Vigia são pela manutenção da ordem e da segurança dentro do estado, bem como pela promoção dos elevados ideais do governo nacional no campo da religião. A fim de dar a conhecer tais coisas ao Sr. Chanceler e às outras altas autoridades do Reich, os sentimentos acima expressos de forma resumida foram expostos em detalhes na declaração anexa.


A Declaração anexa foi lida pelo secretário aos 5.000 delegados da conferência dos Estudantes da Bíblia. Ela foi aprovada unanimemente e adotada com a instrução de se enviar uma cópia simples da mesma, juntamente com este relato da conferência, ao Sr. Chanceler e todos os outras altas autoridades do governo do Reich e seus países.


Isto é feito com o mais respeitoso apelo de que o pedido expresso na declaração, seja recebido com favor: Ou seja, que uma comissão composta por nossos membros tenha a oportunidade de, pessoalmente, explicar a verdadeira situação ao próprio Sr. Chanceler ou ao ministro de assuntos internos. Alternativamente, pedimos ao Sr. Chanceler que designe uma comissão de homens que não tenham qualquer preconceito religioso contra nós — homens que não tenham interesses profissionais religiosos, mas que estejam apenas interessados em aderir aos justos princípios como foram estabelecidos pelo próprio Chanceler — para investigar nossa situação imparcialmente. Os princípios mencionados referem-se ao parágrafo 24 do programa do Partido Nacional socialista dos Trabalhadores Alemães (partido nazista), que diz:


“Nós reclamamos a liberdade de todas as denominações religiosas dentro do estado, conquanto que elas não ponham o próprio estado em perigo ou violem os valores morais da raça germânica.


O partido, como tal, representa o ponto de vista do cristianismo positivo sem estar ligado a qualquer denominação particular. Ele luta contra o espírito judeu-materialista de dentro e de fora do país e está convencido de que uma recuperação duradoura de nosso povo só pode provir de dentro para fora.”


Estamos plenamente convencidos de que, uma vez tenhamos sido julgados imparcialmente, com base, primeiro, na palavra de Deus e, segundo, nos parágrafos acima mencionados, o governo nacional da Alemanha não encontrará qualquer razão para impedir nossos serviços religiosos e atividades missionárias.


Ansiosos por sua gentil aprovação, a qual esperamos receber em breve, desejamos afirmar nossa mais alta estima ao honorável Sr. Chanceler.


Sinceramente,


Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados



A “Declaração dos Fatos” foi uma carta aberta a Hitler

Leia aqui a versão das Testemunhas de Jeová sobre o assunto.


————————

Essa Declaração dos Fatos, naturalmente, não impressionou a Hitler. Daí Rutherford endureceu totalmente o tom e escreveu uma nova carta a Hitler. Segundo diz a Despertai! de 22 de agosto de 1995, pág. 7-8:


“Em 9 de fevereiro de 1934, J. F. Rutherford, presidente da Sociedade Torre de Vigia, dos EUA, enviou uma carta de protesto a Hitler, declarando: “O senhor poderá ter êxito em resistir a qualquer e a todos os homens, mas não poderá ter êxito em resistir a Jeová Deus. . . . Em nome de Jeová Deus e de Seu Rei ungido, Cristo Jesus, exijo que ordene a todas as autoridades e servidores de seu governo que as Testemunhas de Jeová na Alemanha tenham permissão de reunir-se pacificamente e adorar a Deus sem impedimento.”


Rutherford deu como prazo a data de 24 de março de 1934. Ele disse que se até então não viesse alívio para as Testemunhas alemãs, os fatos sobre a perseguição seriam publicados por toda a Alemanha e o resto do mundo. Os nazistas reagiram à exigência de Rutherford com mais abusos, enviando muitas Testemunhas de Jeová a recém-construídos campos de concentração. Assim, elas estavam entre os primeiros prisioneiros nestes campos.”


————————


Fica claro que esse tipo de atitude atrai a ira das autoridades; conforme a própria Torre de Vigia diz, “os nazistas reagiram à exigência de Rutherford com mais abusos, enviando muitas Testemunhas de Jeová a recém-construídos campos de concentração.”


Não estamos dizendo que o nazismo não deveria ser combatido; muitas outras religiões fizeram isso, inclusive os Estudantes da Bíblia independentes da Torre de Vigia. O problema é o modo arrogante e insensato de fazê-lo, piorando o problema e resultando em sofrimento indescritível a milhares de seguidores, enquanto o líder (Rutherford) estava sentado confortavelmente em seu escritório, e em perfeita segurança.


UMA NOVA CAMPANHA MUNDIAL EM 2020


Recentemente circulou nos fóruns de ex-Testemunhas de Jeová, em inglês, a seguinte carta aos anciãos com orientações de uma nova “campanha mundial”:




Tradução:


PARA AS COMISSÕES DE SERVIÇO DE CONGREGAÇÃO


 1.  Campanha mundial em novembro de 2020: Você deve determinar imediatamente o número de exemplares impressos de A Sentinela nº 2 2020 que estão disponíveis e todos os pedidos pendentes. Em seguida, determine se é necessário solicitar cópias adicionais da revista.  Para ajudá-lo, considere o seguinte:


 (1) Identifique os funcionários do governo local que têm um cargo em seu território (prefeitos, vereadores, chefes tribais, anciãos de aldeia e assim por diante), bem como as empresas em seu território. Estime o número total de revistas que serão necessárias para enviar a esses indivíduos e empresas.


 •  Você não precisará incluir funcionários do governo nacional (funcionários eleitos e não eleitos que constituem os parlamentos nacionais, outras formas de governo nacional ou federal, embaixadores e outros funcionários que trabalham em embaixadas ou consulados estrangeiros). A filial cuidará desse grupo.


 •  Se as circunstâncias exigirem que outra congregação o ajude, as comissões de serviço envolvidas devem trabalhar juntos para garantir que cada congregação entenda suas responsabilidades e tenha um estoque adequado de revistas. Uma boa comunicação também evitará qualquer duplicação desnecessária de esforços, especialmente em áreas multilíngues. 2 Cor. 8:14;  od p. 100 pars. 36-37;  sfl cap. 23 par. 6;  cap. 24 par. 10


————————


Não pudemos ainda verificar a autenticidade das informações, mas tudo indica que o conteúdo é legítimo. Caso seja, não estariam as Testemunhas de Jeová mais uma vez se expondo e atraindo a perseguição das autoridades? Não seria isso uma ação irresponsável de sua parte, principalmente para os membros de sua religião que vivem em governos intolerantes?


Vejamos como o tempo responderá a essas perguntas. Enquanto isso, que meditemos nos conselhos bíblicos:


“Esforcem-se para viver em paz com todos e procurem ter uma vida santa, sem a qual ninguém verá o Senhor.”

— Hebreus 12:14 NVT


“Em primeiro lugar, recomendo que sejam feitas petições, orações, intercessões e ações de graça em favor de todos, em favor dos reis e de todos que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida pacífica e tranquila, caracterizada por devoção e dignidade.” — 1 Timóteo 2:1-2 NVT


“Todos devem sujeitar-se às autoridades, pois toda autoridade vem de Deus, e aqueles que ocupam cargos de autoridade foram ali colocados por ele. Portanto, quem se rebela contra a autoridade se rebela contra o Deus que a instituiu e será punido. Pois as autoridades não causam temor naqueles que fazem o que é certo, mas sim nos que fazem o que é errado. Você deseja viver livre do medo das autoridades? Faça o que é certo, e elas o honrarão. As autoridades estão a serviço de Deus, para o seu bem. Mas, se você estiver fazendo algo errado, é evidente que deve temer, pois elas têm o poder de puni-lo, pois estão a serviço de Deus para castigar os que praticam o mal. Portanto, sujeitem-se a elas, não apenas para evitar a punição, mas também para manter a consciência limpa.” — Romanos 13:1-5 NVT


LEIA MAIS ARTIGOS SOBRE AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ AQUI.


Comentários

Postagens mais visitadas